quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Presídio







01/10/2009, 00:00

No dia 24/09/09 fizemos uma visita ao presídio de Sobral. Fica no caminho pra Groaíras, 3 km. Entramos mintimidados. Na recepção estava sendo atendida uma mulher toda tatuada com cara de mal, estilo “sapatão das gangues”.

Grades e mais grades. O professor nos deixou bem à vontade. Não pudemos entrar com bolsas, nem celulares. Os agentes internos não andam armados. Fomos acompanhados o tempo todo pelo diretor (chefe, comandante, sei lá) de segurança, o Simão. Comemos uma merendinha de graça, feita pelos presidiários. Muitos gatos espalhados nos espaços entre as “ruas” (blocos). Conhecemos a área de conversa, daquelas que fica o preso de um lado e o solto do outro, sentados e separados (por grade); a sala de estudo, com um quadro mínimo e umas janelas de 14 polegadas. Eles tem uma padaria interna, panelas que me cabem dentro, essas coisas. Fizemos uma volta por cima da muralha (uns 5 ou 6 metros). Escutamos histórias de gente que fugiu e pediu pra voltar pra não ser morto. Umas armas que dizem atravessar 100 pessoas enfileiradas. Gente que saiu da festa bêbado, parou o carro dizendo que ia invadir o presídio e foi assustado com algumas balas...

Mas o que importa foi que eu descobri o que é estar preso. É verdadeiramente horrível. Você passa anos convivendo com as mesmas pessoas no mesmo lugar. Lugar que eu falo é um pátio e sua cela. Quando se estuda e/ou trabalha o dia até que pode passar rápido. O dia, porque a noite deve ser ainda mais terrível. Você está ali obrigado por uma força FÍSICA maior, não há como desistir. E isso é o que implica verdadeiramente a falta de liberdade. Mesmo que se canse de estar ali, você tem que estar ali. Só pensar já me assusta.

Tivemos a oportunidade de entrar em contato (separados por uma grade) com um dos pátios, a rua de quem trabalha ou estuda. A gente chegou e eles foram se aproximando aos poucos, curiosos. Fomos apresentados pelo professor. Alguns vinham perguntar o que a gente achava dos processos deles, quanto tempo faltava... essas coisas técnicas. Mas a gente não pode ajudar muito, nem Penal I a gente tinha visto ainda.

Vi o Otacílio, o cara que sempre cortava meu cabelo. Ele tava com um aspecto estranho. Uma tristeza profunda, uma tristeza interior. Uma ausência de dinamicidade, como se fosse muita coisa pra analisar e a percepção dele estivesse abalada; uma “leseira”. Talvez fosse vergonha. Ele falou que não há um grande sofrimento físico, há comida e não há violência física, ao menos não na ala dele. Tá trabalhando lá dentro como cabeleireiro. Ele foi preso porque... preguiça de escrever. Mas ultimamente ele estava trabalhando como vendedor. É irônico perceber que lá dentro ele voltou a fazer o que fazia aqui fora com dignidade.

Tudo bem que muita gente não tá nem aí pra quem tá preso, mas gostaria de “manifestar” meu descontentamento em relação ao contato que tivemos com os presos. É muito humilhante. Vem um bando de gente pra ficar olhando você, como se fossem turistas no zoológico. Talvez ainda pior é a sensação de ver as pessoas indo embora e você ficando lá. Quando estávamos todos olhando os presos é como se os estivéssemos utilizando. Utilizando como? Pra rir da tristeza alheia? Pra ver como é a situação? sei lá. Eu só acho que é um estágio que devia ser respeitado. Claro que há os que gostam da visita para mudar a rotina, mas eu estou falando dos que sentem vergonha de estar ali. Eu fiquei com muita pena quando saímos e eles voltaram para suas celas.

Mas eles fizeram algo de errado e não merecem nada da nossa preocupação, certo?! Errado, pra mim eles ainda merecem um mínimo de respeito. Pelo que eles fizeram eles já pagam lá dentro. O problema é que há tanta gente que ainda não cometeu crime nenhum com as quais a gente deve se preocupar que, em realidade, os presos são esquecidos pela sociedade, seus direitos morais ninguém lembra que existem.

Ah, eu não sou dos Direitos Humanos e nem tendo pra esse aspecto. Sei do tipo de gente que tem ali. Mas são GENTE. Ou será que sou eu que ando vendo muitos conceitos sobre ética?


Mais fotos no orkut.


Um comentário: