segunda-feira, 25 de julho de 2011

Preso mentor de vários crimes em Sobral. Menores eram usados para praticar delitos.

Fotos: Blog Sobral 24hs

“A Policia Militar de Sobral prendeu na noite deste sábado, 23, o jovem Francisco Josén da Silva Sousa, o "PELADO", 21 anos, acusado de ser o “mentor intelectual” do assalto que culminou com a morte do empresário Toinho Alcântaras, na noite de sexta-feira, 22.

Segundo as investigações, Pelado planejou todo o assalto e deu apoio logístico para a fulga dos menores de 15 e 16 anos, confessos assassinos do empresário. Ainda segundo a Policia, vários assaltos ocorridos em Sobral nos últimos dias estão sendo imputado a Pelado, uma vez que vários boletins de ocorrência, dão conta de dois indivíduos em uma motocicleta preta praticando assaltos em estabelecimentos comerciais de Sobral.

Pelado foi preso na casa de sua avó, no bairro Paraíso das Flores. A motocicleta que possivelmente tenha sido usada nos assaltos também foi apreendida. "

sábado, 23 de julho de 2011

Sexta, 22/07/2011, 21:00h

Na noite dessa sexta-feira, 22/07/2011, dois moleques, um de 14 e outro de 15 +-, depois de usarem drogas resolveram assaltar um mercantil. Eles tinham uma arma. Anunciaram o assalto. As vítimas entregaram tudo o que foi pedido. Aí, acho que a arma ficou muito pesada e o filho da puta resolveu dar 3 tiros pra trás, enquanto corria.

...

...

...

Meu tio faleceu minutos depois.

 

 

Agora uma coisa não sai da minha cabeça: como pode uma vida valer tão pouco? Em segundos um vagabundo desses desestrutura toda uma família? Um apertar de gatilho faz um estrago imensurável? Me digam: PRA QUE SERVE UMA ARMA? Não vejo outra finalidade que não seja a de matar. Mas pena de morte não existe no Brasil! Pra que as pessoas precisam de armas se é proibido matar? Nesse sentido: POR QUE EXISTEM ARMAS NO BRASIL?

Eu estou, e já era, profundamente descrente na ressocialização. Quem não se adequa a essa sociedade deve ser posto em uma outra: a cadeia. Lá eles deveriam trabalhar para comer e de lá nunca sair. E ponto.

Do jeito que é hoje, esse adolescente vai sair pior. Só queria que você soubesse que, assim como você, nós também não esperávamos, não acreditávamos que isso fosse possível. Acontece que, mesmo quando fazemos de tudo para sair vivos de uma situação dessas, ele pode simplesmente dar uns tiros pra trás. Espero do fundo do meu coração que isso não aconteça com você. Mas alguma coisa tem que ser feita.

Tá tudo errado no Brasil. E não é desses erros econômicos que deixam a gente mais pobre. É um erro que cria uma loteria da morte e o bilhete você ganha quando nasce. E no meio de toda essa violência ainda nos aparece essas alterações no Processo Penal. Repito: não precisamos desses indivíduos ressocializados (coisa que hoje não existe). Só queremos viver sem ter por perto um desocupado que pode nos matar a qualquer momento. 

Queria terminar pedindo duas coisas:

1 manifeste-se contra as armas.

2 nunca fale perto de mim na porra da descriminalização de droga nenhuma. É uma questão de respeito.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Greve dos servidores Técnico-Administrativos UFC

Nós, servidores do quadro técnico-administrativo do Campus da Universidade Federal do Ceará, reunidos recentemente em assembléia, optamos por acompanhar o movimento grevista deflagrado desde o dia 06 de junho do corrente ano pela FASUBRA FEDERAÇÃO DE SINDICATOS DE TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS), que paralisou a maioria das instituições federais de ensino superior do país. Tal decisão não ocorreu ao acaso ou de forma impensada.

Muito menos se trata de um movimento desfavorável ao interesse público. Pelo contrário, nossa luta interessa diretamente não só aos servidores técnico-administrativos, mas a população como um todo. De fato, lutamos por melhor remuneração. Afinal, ficaremos a ver navios em 2011 e não há nenhuma garantia para os próximos anos.

O projeto da lei orçamentária anual para o exercício seguinte tem que ser enviado à Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional até o dia 31 de agosto, e não há, até o momento, nada específico para a nossa categoria. Não pedimos muito, apenas reivindicamos que governo federal inicialmente cumpra todos os termos do acordo da última greve, bem como assuma um compromisso de médio prazo (2012, 2013 e 2014) com a categoria, pois só assim evitaremos greves recorrentes. Atualmente, temos a pior remuneração do serviço público federal, fato que, por si só, já justifica o movimento. Ademais, outras autarquias federais, a exemplo das agências reguladoras, chegam a ter diferença de remuneração, pelo mesmíssimo cargo, de mais de 100%
Todavia, nossa luta vai mais longe. Lutamos contra as intenções do governo federal de criar uma empresa para abocanhar os hospitais universitários. Afinal, empresas mesmo pública, são criadas com o fim de explorar atividades econômicas. Num país onde os hospitais municipais e estaduais apresentam sérios problemas, não é sensato o governo federal tirar o corpo fora. Saúde é coisa séria demais pra ser tratada como mercadoria; que o governo federal venda combustível ou serviços bancários, até entendemos, mas privatizar hospitais públicos é demais.
Além disso, a terceirização se alastra como uma praga no setor público. Novamente, encontraram um jeitinho brasileiro de driblar a obrigatoriedade do concurso público previsto na Constituição Federal! Estamos prestes a retroceder. Afinal, com a terceirização não é preciso estudar, basta ter amigos ou conexões. Defendemos concurso público para possibilitar que a expansão universitária ocorra de forma impessoal e com qualidade.
Por fim, conclamamos a sociedade a nos acompanhar. Precisamos de apoio, pois somos uma categoria esquecida no serviço público federal. Afinal , não arrecadamos impostos ou damos suporte direto aos Ministérios. Apenas contribuímos para que a estrutura universitária possa funcionar.

Não é de admirar que sejamos pouco valorizados, pois educação nunca é prioridade no Brasil.

 

Somos hoje 46 Instituições Federais de Ensino Superior em greve em todo o Brasil.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Por quê? Porque escolhas precisam ser feitas quando as coisas mudam. Isso parece cruel. Isso é cruel. Mas talvez isso seja necessário. Eu não posso ser dois. Não que o outro caminho fosse tão mais doloroso a ponto de facilitar minha decisão (e nem esperava que fosse fácil). O fato é que tive que tomar uma decisão. Na verdade, eu só tive que exteriorizar a decisão que foi se formando com a proximidade e a afinidade. Quando percebi, já estava imerso nesse mundo.

Queria que fosse diferente. Queria ser o único prejudicado. Mas foi assim que aconteceu.

 

Adeus, Ciências Econômicas!

Discussão sobre a união homoafetiva

Entrou em discussão hoje, 4 de maio de 2011, no STF (órgão máximo do Judiciário) o tema da união homoafetiva. Venho aqui gastar algumas horas do meu dia de semana de prova pra deixar esse acontecimento bem registrado e analisado.

Antes de mais nada, queria deixar bem claro que tipo de discussão pode ser feita no Judiciário. Algumas coisas entram em discussão por se estar fazendo coisas que são proibidas, outras porque alguém não fez o procedimento determinado em lei, outras porque tem lei que diz coisa que não se enquadra na constituição (ação direta de inconstitucionalidade). Enfim, o judiciário julga os fatos baseado nas leis e interpreta essas leis. No caso da proposição feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, eles querem que o STF declare que:

a) é obrigatório o reconhecimento, no Brasil, da união entre pessoas do mesmo sexo, como entidade familiar, desde que atendidos os requisitos exigidos para a constituição da união estável entre homem e mulher; e

b) que os mesmos direitos e deveres dos companheiros nas uniões estáveis estendam-se aos companheiros nas uniões entre pessoas do mesmo sexo. [ADPF 178 – 1/800]

O pedido é que se faça a interpretação do art. 226 da Constituição Federal de modo a estender o conceito de entidade familiar às uniões de pessoas do mesmo sexo.

Ficou claro? A PGR não quer mudar o art. 226. Eles só querem que se faça uma interpretação extensiva de modo a englobar a união homoafetiva no conceito de entidade familiar. Mais uma vez: FICOU CLARO? Eles não querem mudar a lei!!

Agora, leia e reflita se cabe essa interpretação pra esse artigo:

Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.

(...)

§ 3º - Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.

Não sei, mas pra mim, quando se diz “entre o HOMEM E A MULHER” a intenção é não classificar outros tipos de união como sendo estáveis. Se estivesse escrito: “é reconhecida a união estável como entidade familiar” aí sim entrava o grupo das uniões entre pessoas do mesmo sexo. A especificação é clara. É como se a gente lesse “A casa é asilo inviolável” e alguém viesse querer estender o conceito de casa pro quarteirão todo, só porque tem gente que fica conversando na calçada até tarde. Entende? (E o exemplo foi o mais incoerente possível pra evitar que alguém se sinta ofendido.)

No texto do requerimento argumenta-se que o termo “homem e mulher” foi utilizado para reduzir as discriminações que havia para as relações que não era tidas expressamente como casamento. Eu entendo que a expressão “homem e mulher” vai além de ter a intenção de equiparar a união estável ao casamento. Se fosse assim o texto seria: “a união estável equivale a casamento”.

Queria lembrar que a minha discussão aqui é simplesmente jurídica. Se lá estivesse escrito de forma aberta, a nova interpretação até caberia. O problema é que o texto do artigo fechou o assunto. Agora, só o Legislativo tem legitimidade pra atender os interesses do segmento.

O melhor procedimento seria juntar apoio no Congresso e fazer uma Proposta de Emenda à Constituição. Aí, legalmente, do jeito que um Estado Democrático de Direito exige que seja feito, poderia mudar a redação do art. 226 § 3º para alguma coisa parecida com “é reconhecida a união estável entre pessoas como entidade familiar ...”.

Na verdade, o que aconteceu foi que o segmento social dos homossexuais não conseguiu o apoio necessário pra mudar a situação no Legislativo e agora quer que isso seja aceito através da força do Judiciário. Olha essa notícia do G1:

Defensor dos direitos dos homossexuais, o próprio deputado Jean Wyllys diz ter “os pés no chão” e lamenta que a lei exclua da proteção do estado casais de pessoas do mesmo sexo. O parlamentar trabalha para recolher as assinaturas de dois terços dos 513 deputados federais, número necessário para propor a mudança do texto da Constituição. Wyllys afirma ter conseguido pouco mais de 70 assinaturas e admite as dificuldades em abordar o assunto.

Quando se discutir no Legislativo é que o negócio pega fogo. Porque lá a única coisa que não vai poder ser mudada são as cláusulas pétreas lá do art.60 CF. Lá entra a sociedade fazendo pressão nos políticos, aí eles lembram dos votos e por aí vai...

Particularmente, eu sou favorável ao reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo para fins patrimoniais. Na verdade, a maioria desses direitos só são úteis quando ocorre o fim da união: direito a pensão alimentícia e aos benefícios previdenciários. Mas, se assim querem, acho que só os familiares seriam afetados por essas questões patrimoniais.

Quanto à adoção, acho que o assunto ainda não foi discutido o suficiente. Por enquanto eu acho que não se deve permitir a adoção por casais homoafetivos.

 

Aí alguém poderia dizer que na ficha limpa eu disse que faltou boa vontade do STF numa questão que também era só interpretação da lei. A diferença é que na ficha limpa se tinha uma questão aberta que possibilitava o entendimento favorável à manutenção da vigência da lei para a eleição passada. O que se discutia era a interpretação do Art. 16. A lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que ocorra até um ano da data de sua vigência. Mas, o que mudava era um simples requisito para a candidatura, e não uma regra do processo eleitoral. Pra mim a questão estava aberta, a votação já tinha ocorrido, faltou só um pouco de bom senso pra manter a validade da lei pra eleição do ano passado. Tão aberta era a questão que a votação foi de 6x5. E lá já tinha lei aprovada e sendo cumprida, na questão homoafetiva não tem nem uma coisa nem outra.

 

Mais do mesmo:

http://www.stf.jus.br/portal/geral/verPdfPaginado.asp?id=400547&tipo=TP&descricao=ADI%2F4277

http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/05/supremo-julga-reconhecimento-de-uniao-homossexual.html

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm

http://www.espacovital.com.br/noticia_ler.php?id=23348

sábado, 16 de abril de 2011

Reciclado

Eu fiz um post bem trabalhoso, mas achei que não valia a pena.

Ele ia começar com:

“E quanto a ser alguém capaz de dizer de fato e exatamente o que sente ou pensa, imploro-te que não acredites, não é porque não se queira, é porque não se pode.” (José Saramago)

E ia falar sobre sujeitos de relação (relação aqui é qualquer vínculo entre sujeitos) e vontades e lógicas ardentes que tornam irrelevantes as perspectivas de qualquer coisa que esteja além daquela situação, no tempo ou no espaço.

Mas eu vi que pouquíssimos iniciados entenderiam e pra esses talvez isso seja suficiente.

Entendeu? As vezes nem eu. É que não se pode dizer exatamente o que se sente, não porque não se queira...

 

 

Ah, eu tive que fazer um exame psiquiátrico pra ingressar num emprego ali e o cara atestou que eu estou bem, viu?! Eu estou comprovadamente em estado de plena sanidade mental. Mais uma vez, fiz o exame por solicitação da instituição, não foi a família que me obrigou não, tá?!

quarta-feira, 13 de abril de 2011

GOVERNO INICIARÁ OBRAS NO CAMPUS DA BETÂNIA NA QUINTA-FERA

 

A construção da nova sede da DIMAP e reformas no NTI, além da iluminação monumental do conjunto arquitetônico da reitoria e da reforma do estacionamento do campus, somam investimentos da ordem de 2 milhões de reais em recursos do Tesouro do Estado.
As obras no campus da Betânia terão início nesta quinta-feira, 14 de abril de 2011, e os recursos serão aplicados em quatro obras diferentes, entre elas, a reforma de toda a área de estacionamento de veículos e circulação de pedestres, além da iluminação monumental das fachadas do conjunto arquitetônico que abriga a Reitoria da UVA e demais setores administrativos e acadêmicos no campus da Betânia.

Fonte: http://sobraldeprima.blogspot.com/